Δημοφιλείς αναρτήσεις

Medicine by Alexandros G.Sfakianakis,Anapafseos 5 Agios Nikolao

Medicine by Alexandros G.Sfakianakis

Εμφανιζόμενη ανάρτηση

Non-invasive diagnostic tools in the field of head and neck oncology : A liquid biopsy for head and neck cancers

The development of a liquid biopsy for head and neck cancers via  ScienceDirect Publication: Oral Oncology Publication ...

Πέμπτη, 15 Δεκεμβρίου 2016

Vertigem refratária episódica: papel da gentamicina intratimpânica e potencial evocado miogênico vestibular [Livre artigo]

Vertigem refratária episódica: papel da gentamicina intratimpânica e potencial evocado miogênico vestibular [Livre artigo]: Erika Celis-Aguilar, Ramon Hinojosa-González, Olivia Vales-Hidalgo, Heloisa Coutinho-Toledo
Braz J Otorhinolaryngol 2016;82:668-73

Resumo - Texto Completo - PDF
Braz J Otorhinolaryngol 2016;82:668-73
Vertigem refratária episódica: papel da gentamicina intratimpânica e potencial evocado miogênico vestibular
Erika Celis-Aguilara, Ramon Hinojosa-Gonzálezb, Olivia Vales-Hidalgob, Heloisa Coutinho-Toledoc
a Universidad Autónoma de Sinaloa, Centro de Investigación y Docencia en Ciencias de la Salud (CIDOCS), Departamento de Otorrinolaringología, Culiacán, Sinaloa, México
b Instituto Nacional de Neurología y Neurocirugía Manuel Velasco Suárez, Department of Neurotology, Ciudad de México, México
c Hospital Médica Sur, Ciudad de México, México
Resumo
Introdução: Ainda hoje, o controle da vertigem intratável permanece um desafio. A ablação vestibular com gentamicina intratimpânica permanece como uma boa alternativa no tratamento de pacientes com vertigem refratária.

Objetivo: Controlar a vertigem intratável por meio de ablação vestibular completa dos canais sacular e horizontal com gentamicina intratimpânica como tratamento.

Método: Pacientes com vertigem refratária episódica foram incluídos. Os critérios de inclusão foram doença unilateral da orelha, perda auditiva neurossensorial de moderada a profunda e fracasso com outros tratamentos. Os pacientes incluídos receberam uma aplicação de 0,5-0,8 mL de gentamicina intratimpânica com concentração de 30 mg/mL. A ablação vestibular foi confirmada pela ausência de resposta no teste de potencial evocado miogênico vestibular cervical (PEMVc) e nenhuma resposta nas provas calóricas. Audiometria, eletronistagmografia com água gelada e potencial evocado miogênico vestibular foram realizados em todos os pacientes.

Resultados: Ao todo, dez pacientes foram incluídos: nove com doença de Ménière e um com hidropisia tardia. Nove pacientes apresentaram ausência de resposta no teste de potencial evocado miogênico vestibular e nenhuma resposta na prova calórica. O único paciente com baixa amplitude no PEMVc apresentou recorrência da vertigem. O controle da vertigem foi obtido em 90% dos pacientes. Um paciente desenvolveu perda auditiva > 30 dB.

Conclusões: O PEMVc confirmou ablação vestibular nos pacientes tratados com gentamicina intratimpânica. O alto grau de controle da vertigem foi devido à ablação completa do sáculo e canal horizontal (sem resposta à água gelada na eletronistagmografia e ausência de resposta no PEMVc).

Resumo
Introduction: Even today, the treatment of intractable vertigo remains a challenge. Vestibular ablation with intratympanic gentamicin stands as a good alternative in the management of refractory vertigo patients.

Objective: To control intractable vertigo through complete saccular and horizontal canal vestibular ablation with intratympanic gentamicin treatment.

Methods: Patients with refractory episodic vertigo were included. The inclusion criteria were: unilateral ear disease, moderate to profound sensorineural hearing loss, and failure to other treatments. Included patients underwent 0.5-0.8 mL of gentamicin intratympanic application at a 30 mg/mL concentration. Vestibular ablation was confirmed by the absence of response on cervical vestibular evoked myogenic potentials and no response on caloric tests. Audiometry, electronystagmography with iced water, and vestibular evoked myogenic potentials were performed in all patients.

Results: Ten patients were included; nine patients with Meniere’s disease and one patient with (late onset) delayed hydrops. Nine patients showed an absent response on vestibular evoked myogenic potentials and no response on caloric tests. The only patient with low amplitude on cervical vestibular evoked myogenic potentials had vertigo recurrence. Vertigo control was achieved in 90% of the patients. One patient developed hearing loss >30 dB.

Conclusions: Cervical vestibular evoked myogenic potentials confirmed vestibular ablation in patients treated with intratympanic gentamicin. High-grade vertigo control was due to complete saccular and horizontal canal ablation (no response to iced water in electronystagmography and no response on cervical vestibular evoked myogenic potentials).

Palavras-chave
Potencial evocado miogênico vestibular; Vertigem refratária; Gentamicina intratimpânica; Doença de Ménière
Keywords
Vestibular evoked myogenic potentials; Refractory vertigo; Intratympanic gentamicin; Meniere disease
Introdução

O controle da vertigem é o principal resultado no tratamento da doença de Ménière, no entanto, muitos pacientes não respondem às medidas conservadoras. Os procedimentos mais invasivos são destinados aos pacientes com vertigem intratável e sem resposta ao tratamento médico. Os tratamentos cirúrgicos, especialmente a secção do nervo vestibular, possuem alta taxa de sucesso. Contudo, por ser um procedimento cirúrgico, efeitos colaterais como cefaléia, sangramento, fístula liquórica (FL) ou paralisia facial, entre outros, são possíveis. Por esse motivo, o tratamento com gentamicina intratimpânica vem substituindo gradualmente esses procedimentos cirúrgicos.

Em 1957, Schuknecht1,2 foi o primeiro a descrever o uso de aminoglicosídeos no tratamento da doença de Ménière. Ele descreveu a instilação de estreptomicina na orelha média de cinco pacientes, com bom controle da vertigem, embora efeitos colaterais adversos na cóclea, dentre eles a perda auditiva profunda, tenham ocorrido em todos os pacientes.

Desde então, vários estudos de gentamicina intratimpânica apresentaram uma taxa de controle da vertigem de 76 a 96%, com um risco de perda auditiva em torno de 20-30%.1,2

Curiosamente, as instilações de gentamicina permanecem controversas até os dias atuais. Dose, número de aplicações e intervalo entre cada aplicação não obtiveram um consenso entre os otorrinos. Em 2004, uma metanálise2 descreveu cinco técnicas diferentes de aplicações de gentamicina: diária (três aplicações por dia ≥ 4 dias), dose semanal (uma dose por semana para um total de quatro doses), dose baixa (uma a duas aplicações com novo tratamento em caso de recorrência de vertigem), aplicação contínua com microcateter e terapia de titulação (dose semanal ou diária até a ocorrência de sintomas vestibulares ou cocleares). Chia et al.2 concluíram, de acordo com essa metanálise, que o melhor método de aplicação de gentamicina era a titulação, com o controle da vertigem atingindo 81,7%. Esses autores não observaram diferença estatisticamente significante entre a ablação vestibular parcial vs. completa.

Por outro lado, o teste do potencial evocado miogênico vestibular cervical (PEMVc) foi descrito pela primeira vez em 1994 por Colebatch3 e, desde então, este é um teste conhecido para a função sacular e nervo vestibular inferior. Em seres humanos, cliques audíveis e tons súbitos intensos estimulam as vias aferentes saculares que inibem o tônus do músculo esternocleidomastoideo e são registrados nesse teste. O resultado é uma onda p1 positiva, seguida por uma onda negativa n1.

Além disso, descobriu-se que a função sacular se encontra alterada nos pacientes com diagnóstico recente de doença de Ménière.4 Acreditamos que a função vestibular completa, incluindo a função sacular, deve ser medida no tratamento com gentamicina. Além disso, a reabilitação de um paciente submetido a esse tratamento depende da magnitude existente do dano vestibular.5

As desvantagens da gentamicina intratimpânica são, principalmente, a perda auditiva6 e a vertigem subjetiva crônica.

A avaliação da função sacular é primordial se o objetivo da ablação vestibular com gentamicina intratimpânica for uma ablação completa; o PEMVc pode ser um adicional na investigação diagnóstica e no acompanhamento desses pacientes. O teste também pode mostrar função vestibular residual em um paciente com vertigem recorrente após o tratamento com gentamicina.

A ablação vestibular completa vs. a ablação parcial é ainda uma questão controversa. Infelizmente, os relatos sobre a forma de como a ablação vestibular é obtida são variados. Para determinar a ablação vestibular completa, os estudos devem incluir avaliação dos canais semicirculares e das funções utricular e sacular.

A ablação vestibular, neste estudo, foi definida como resposta zero nas provas calóricas com água gelada e resposta ausente no PEMVc; em outras palavras, ablação completa da função sacular e do canal semicircular horizontal.

O objetivo deste estudo foi avaliar o controle da vertigem em pacientes com vertigem refratária intratável por meio da aplicação de gentamicina intratimpânica e ablação vestibular confirmada por uma resposta ausente no PEMVc e resposta zero no teste de água gelada na eletronistagmografia (ENG).

Método

Desenho do estudo

Estudo retrospectivo, revisão de prontuários clínicos.

Centro

Centro de atendimento terciário.

Pacientes

Foram incluídos pacientes com vertigem intratável recorrente, doença vestibular unilateral e testes vestibulares completos, atendidos no período de janeiro de 2002 a dezembro de 2010. Aplicação semanal de gentamicina foi realizada em todos os pacientes. A aplicação consistiu em 0,5 a 0,8 cc de gentamicina, com uma concentração de 30 mg/mL. Essa solução foi tamponada com bicarbonato. Os critérios de inclusão foram: pacientes que preencheram critérios para doença de Ménière, de acordo o Comitê AAO-HNS 1995, para audição e equilíbrio, com idade > 18 anos, perda auditiva de moderada a profunda e falha com outros tratamentos clínicos, incluindo aplicação intratimpânica de dexametasona.

Medições

Todos os pacientes foram submetidos a audiometria tonal e audiometria vocal com o audiômetro Interacoustic AD29. Eletronistagmografia (ENG) foi realizada com equipamentos Micromedical. Testes oculomotores (movimentos sacádicos, fixação do olhar, optocinético e rastreio), testes posicionais e provas calóricas foram realizados em todos os pacientes. Assimetria vestibular foi definida por meio de provas calóricas, com uma assimetria de 30% em comparação com a outra orelha. Resposta zero foi definida como ausência de nistagmo com água gelada.

Os testes de PEMVc foram feitos com o Nicolet Viking Select. A eletromiografia consistiu em eletrodos colocados no músculo esternocleidomastoideo, esterno e na mastoide ipsilateral (eletrodo terra). O tonus do esternocleidomastoideo foi obtido por esforço provocado pelo paciente por meio de um sistema com cilindro pesando 2 kg e uma bandana. O paciente empurra a testa para frente, mantendo o tônus muscular. Os estímulos auditivos consistem em um número de cliques, três por segundo, em 105 dB (com ruído branco contralateral de 45 dB e um filtro em 10 Hz-1,5 kHz). Os registros foram feitos durante 100 ms (milissegundos).

O consentimento informado foi obtido de todos os pacientes. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética.

Intervenção

Protocolo de aplicação de gentamicina intratimpânica: com o paciente em posição supina com 45 graus de rotação da cabeça, uma solução de tetracaína foi aplicada ao canal auditivo e, sob visão microscópica, o anestésico foi aspirado, e com seringa de 1 mL com 30 mg de gentamicina tamponada com 1/3 de NaHCO, 0,4 a 0,6 cc foi aplicado na orelha média nos quadrantes inferiores. O paciente repousou nessa posição por mais de 1 hora, e recebeu instrução para não falar ou engolir. Aplicações semanais foram feitas até que houvesse uma resposta ausente tanto à eletronistagmografia com água gelada quanto ao PEMVc.

Acompanhamento

Os pacientes foram acompanhados com avaliações em 30 dias, 3, 6 e 12 meses, após o qual o acompanhamento passou a ser feito anualmente. Todos os pacientes foram submetidos a um programa de reabilitação vestibular, que consistiu no reforço do reflexo vestíbulo-ocular, substituição sensorial e controle postural – cada protocolo foi individualizado. Durante as consultas subsequentes, foram realizados audiometria, eletronistagmografia com água gelada e mensurações da doença de Ménière com a escala funcional.

Análise estatística

A análise estatística foi realizada usando o Programa Estatístico para Ciências Sociais (SPSS 15.0). A análise estatística incluiu estatística descritiva (média e desvio padrão).

Resultados

No total dez pacientes com testes vestibulares completos, ambos ENG e PEMVc foram incluídos. Nove pacientes apresentavam doença de Ménière, e um paciente apresentou hidropsia endolinfática tardia.

Todos os pacientes foram submetidos a aplicação de gentamicina intratimpânica. O número médio de aplicações foi de 4,3 (intervalo de 1 a 7). O acompanhamento foi de 1 a 7 anos, com média de 4,25 anos.

O controle da vertigem foi de 90%. Um paciente desenvolveu perda de audição > 30 dB. A tabela 1 mostra os resultados.


Após o tratamento com gentamicina, nove pacientes apresentaram resposta ausente no PEMVc e apenas um paciente apresentou resposta persistente no PEMVc. Este último (paciente número 1 na tabela 1) apresentou amplitude baixa no PEMVc, com vertigem recorrente sintomática, e precisou de dois cursos de aplicações de gentamicina, com 5 e 11 aplicações, respectivamente.

Todos os pacientes apresentaram resposta zero na ENG com água gelada após a aplicação de gentamicina. O teste posicional e a avaliação oculomotora na ENG foram negativos em todos os pacientes.

Dois pacientes (pacientes 2 e 8), apresentaram assimetria vestibular na ENG no pré-tratamento (> 25%), mas os graus de resposta não foram documentados, portanto, esses dados não estão incluído na tabela 1.

Tratamento anterior

Todos os pacientes tinham apresentado insucesso ao tratamento clínico (dieta, diuréticos, esteroides, vasodilatadores, antagonistas de cálcio). Curiosamente, dois pacientes haviam recebido aplicação intratimpânica de dexametasona sem bons resultados, assim como um paciente submetido a descompressão do saco endolinfático e um paciente a secção do nervo vestibular, possivelmente incompleta.

PEMVc prévia à aplicação de gentamicina

Embora todos os pacientes apresentassem paresia vestibular (paresia do canal semicircular horizontal) documentada previamente ao tratamento com gentamicina, apenas dois (pacientes 3 e 4) tinham feito testes iniciais de PEMVc no pré-tratamento. Ambos apresentavam amplitude baixa como resposta no PEMVc, com negativação posterior dessa resposta, após o tratamento. Eles eram portadores da doença de Ménière, com média de idade de 33,5 anos.

PEMVc e controle da vertigem

Noventa por cento de nossos pacientes demonstraram bom controle da vertigem. O único que apresentou crises de vertigem recorrentes foi positivo no PEMVc após o segundo curso de aplicação de gentamicina. Ele rejeitou o tratamento cirúrgico e, posteriormente conseguiu ser parcialmente controlado com tratamento clínico.

Perda auditiva

Apenas um paciente apresentou perda auditiva acima de 30 dB. O restante apresentou perda auditiva média de 5,70 dB.

Classe funcional da doença de Ménière

Cinco pacientes apresentaram vertigem intermitente, mas mantinham suas rotinas de trabalho, dirigiam e exerciam atividades normais. Eles correspondiam aos níveis 2 e 3 da classe funcional.

Dificuldades técnicas do PEMVc

Quatro pacientes foram eliminados para avaliação dos dados devido à ausência de resposta bilateral no PEMVc. Essa dificuldade técnica se deveu a variações morfológicas cervicais (pescoço grosso) ou à falta de cooperação do paciente (sem contração do músculo esternocleidomastoideo).

Discussão

O objetivo deste estudo foi corroborar a ablação vestibular completa por meio de uma resposta zero na ENG com água gelada e uma resposta ausente no PEMVc. O PEMVc confirma uma função sacular ausente e um canal semicircular posterior não funcional. Por outro lado, a resposta do canal semi-circular horizontal é medido pela resposta zero na ENG com água gelada. Assim, quase todo o epitélio funcional vestibular é medido e a ablação vestibular completa (função do sáculo e do canal semicircular horizontal) pode ser obtida.

Em nossa série, a resposta ausente no teste de PEMVc após o tratamento com gentamicina esteve presente em todos os pacientes que apresentaram bom controle da vertigem.

Além disso, uma resposta anormal no PEMVc pode ser um sintoma precoce da doença de Ménière. Em orelhas pré-sintomáticas, inclusive, pode ser um sinal da doença na orelha contralateral.4,7

Em nosso estudo, dois pacientes (números 3 e 4) apresentaram PEMVc positivo no pré-tratamento e, curiosamente, ambos apresentaram amplitude baixa como resposta. Isso corrobora o que foi previamente descrito na literatura, que o dano sacular está presente na doença de Ménière.4,5 Outros autores descreveram um dano inicial dos canais semicircular, e posteriormente, lesão sacular.5

O paciente número três foi um caso controverso, pois apresentou resposta zero na ENG com água gelada e resposta presente no PEMVc; optou-se pelo tratamento com gentamicina devido à função sacular persistente. Após a aplicação de gentamicina, o PEMVc foi negativo e a ENG com água gelada permaneceu negativa após dois anos de intervenção. Durante esse tempo, a posturografia foi normal, com reabilitação vestibular completa. O paciente encontra-se livre de crises vertiginosas.

O PVC pode ser de grande valor diagnóstico em pacientes com crises de vertigem e nenhuma resposta na ENG com água gelada, uma vez que outro epitélio vestibular, como, por exemplo, o sáculo, pode ser responsável pelas crises de vertigem.

Estudos com animais demonstraram que os PEMVc são originários de células do tipo I no sáculo de cobaias.8 A regeneração das células vestibulares após gentamicina foi descrita tanto nos canais semicirculares8 quanto no sáculo.7 Essa regeneração vestibular é provavelmente a causa dos crises recorrentes de vertigem após gentamicina.9 Por outro lado, outros autores explicam que ela ocorre em decorrência da história natural da doença de Ménière, pois a ausência de crises vertiginosas em alguns estudos ocorre devido ao tempo de acompanhamento insuficiente, dando uma falsa ideia de terapia bem-sucedida. O acompanhamento em longo prazo é fortemente recomendado.7

Em nossa série, o paciente de número um, após a primeira terapia com gentamicina, apresentou 11 graus na resposta vestibular na ENG com água gelada e amplitude baixa no PEMVc. Após a segunda aplicação, o paciente permaneceu com crises de vertigem com PEMVc positivo, corroborando a associação dos testes vestibulares e dos sintomas, já descrita por muitos autores.5,7,9,10

Helling et al.5 incluíram em seu estudo 19 pacientes com doença de Ménière. Após a primeira aplicação de gentamicina, os testes do PEMVc foram negativos, concluindo que o PEMVc não é um indicador confiável do sucesso da terapia. Isso difere de nossos resultados, porque o único paciente com PEMVc positivo foi o que apresentou vertigem recorrente. Além disso, Picciotti et al.11 enfatizaram o uso do PEMVc para monitorar a eficácia da terapia.

A presença de PEMVc após gentamicina intratimpânica pode ser um indicador de falha terapêutica, pelo menos em nosso estudo. Mais estudos são necessários para confirmar os resultados.

Além disso, os métodos de aplicação de gentamicina intratimpânica são muito variados. De acordo com Chia et al.,2 o método de titulação resultou em um controle da vertigem de 81,7 vs. 75% para a aplicação semanal. O nosso método padrão, como mencionado anteriormente, é o de aplicações semanais até que não haja resposta na ENG com água gelada. Comparando nossos resultados com os publicados anteriormente, nossa taxa de controle da vertigem pode ser superior a de outros métodos de aplicação de gentamicina.

A ablação vestibular completa ainda é controversa, especialmente porque a metanálise conduzida por Chia2 não confirmou uma diferença estatística entre a ablação vestibular parcial e completa (p = 0,179). Em números, a ablação vestibular completa nesta metanálise apresentou 92,1% de controle da vertigem vs. 74,8% para a ablação parcial.

Outros autores5 preferiram a ablação parcial, explicando que a função canalicular preservada poderia propiciar o controle da vertigem por causar um dano mais específico às células escuras com consequente homeostase na produção de endolinfa. Contudo, de acordo com a experiência do presente estudo, a ablação vestibular (como medida pela ablação sacular e do canal semicircular horizontal) é eficaz para o controle da vertigem.

Chia et al.2 relataram 13,1% de perda auditiva com o método de aplicação semanal de gentamicina. Em nossa série, apenas um paciente apresentou perda auditiva superior a 30 dB, o que representa 10% da nossa população de estudo. Nenhum de nossos pacientes apresentou perda auditiva profunda secundária ao procedimento, vs. 6,6% relatados na literatura.2 A média de perda auditiva em nossa série foi de 5,7 dB de audiência. Essa taxa de perda auditiva é corroborada por outros estudos.5 Vale mencionar que há outros centros que aplicam gentamicina intratimpânica em indivíduos com audição normal12, enfatizando a baixa taxa de perda auditiva esperada.

Curiosamente, em nossa série, quatro pacientes apresentaram melhora da média tonal (MT), o que pode ter ocorrido devido à história natural da doença de Ménière, que inclui perda auditiva flutuante.

A função utricular foi descrita como preservada em 30-40% dos pacientes tratados com gentamicina intratimpânica,5 o que difere do sáculo e canais semicirculares, que são invariavelmente prejudicados por esse tratamento. Infelizmente, o presente estudo não avaliou a função utricular. Posturografia também foi usada nesses pacientes. Um estudo descreveu melhora no componente vestibular seis meses após a aplicação de gentamicina à orelha média. Há vários focos de pesquisa que ainda não foram explorados de forma completa em relação a esse tratamento e que poderiam ser usados por futuros pesquisadores.

As limitações de nosso estudo foram o seu caráter retrospectivo, o número limitado de pacientes e a falta de PEMVc no pré-tratamento em alguns pacientes. Por outro lado, um ponto forte foi o acompanhamento em longo prazo, que chegou a sete anos em alguns pacientes.

Outra limitação foi o fato de a prova calórica na ENG representar apenas um de teste da função vestibular apenas de frequência baixa. A prova calórica mede exclusivamente a função do canal semicircular horizontal; portanto, podemos inferir que, neste estudo, apenas a ablação vestibular parcial foi medida. Porém, a ENG também mede uma gama dinâmica de outros testes, tais como posicionais e provas oculomotoras (movimentos sacádicos, optocinética, rastreio etc.). Este último não foi alterado em qualquer de nossos pacientes.

O teste da cadeira giratória também avalia o reflexo vestíbulo-ocular (RVO) e o canal semicircular horizontal,e pode ser aplicado em pacientes nos quais a estimulação calórica é difícil de executar, acrescentando precisão à ENG; contudo, ele não foi realizado em nossos pacientes. Além disso, tanto a prova calórica quanto a cadeira giratória quantificam o RVO no plano horizontal e em baixa frequência. O RVO também pode ser avaliado pelo teste de impulso da cabeça com ou sem os óculos de Frenzel; já a prova calórica apenas pode ser realizada, caso necessário, com os óculos de Frenzel em serviço de emergências.

Além disso, estamos cientes da falta de outros testes vestibulares, como PEMVc ocular, teste do impulso cefálico com vídeo e função utricular. Em nosso estudo, embora tenhamos obtido uma completa ausência da função do sáculo e do canal semircircular horizontal, não pudemos presumir uma função vestibular completa, porque nem todos os órgãos vestibulares foram medidos.

Este estudo acrescenta evidência sobre o uso de gentamicina intratimpânica e ablação completa da função do sáculo e do canal semircircular horizontal. Provas calóricas na ENG e o teste do PEMVc devem ser usados para confirmar a ablação vestibular.

Conclusão

O PEMVc confirmou a ablação vestibular em pacientes tratados com gentamicina intratimpânica. O alto grau de controle da vertigem ocorreu devido à ablação completa do sáculo e do canal semicircular horizontal (sem resposta à água gelada na eletronistagmografia e sem resposta no PEMVc).

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Recebido em 16 de agosto de 2015;

aceito em 29 de novembro de 2015

* Autor para correspondência.

E-mail: erikacelis@hotmail.com (E. Celis-Aguilar).

☆ Como citar este artigo: Celis-Aguilar E, González RH, Hidalgo OV, Toledo HC. Refractory episodic vertigo: role of intratympanic gentamicin and vestibular evoked myogenic potentials. Braz J Otorhinolaryngol. 2016;82:668-73.

☆ ☆ Este estudo foi apresentado na Academia Americana de Otorrinolaringologia em 2014, em Orlando, Flórida.

DOI se refere ao artigo: http://dx.doi.org/10.1016/j.bjorl.2015.11.019

Bibliografia
1
Pharmacologic and molecular therapies of the cochlear and vestibular labyrinth. Em: Flint P, Haughey B, Lund V, Niparko J, Richardson M, Robbins K, et al., editores. Cummings otolaryngology – head and neck surgery. Philadelphia: Mosby; 2010. p. 2179-93.
2
Intratympanic gentamicin therapy for Ménière disease: a meta-analysis. Otol Neurotol. 2004;25:544-52.
3
Test-retest reliability and age related characteristics of the ocular and cervical vestibular evoked myogenic potential tests. Otol Neurotol. 2010;31: 793-802.
4
Saccular dysfunction in Meniere’s disease. Am J Otol. 1999;20:223-32.
5
Treatment of Meniere disease by low dose dosage intratympanic gentamicin application: effect on otolith function. Laryngoscope. 2007;117: 2244-50.
6
Intratympanic gentamicin injection for the treatment of Meniere’s disease. Am J Otol. 1998;19:435-42.
7
Reliability of the vestibular evoked myogenic potential test in assessing intratympanic gentamicin therapy in Meniere’s disease. Acta Otolaryngol. 2008;128:422-6.
8
Vestibular evoked myogenic potentials are heavily dependent on type I hair cell activity of the saccular macula in guinea pigs. Audiol Neurotol. 2009;14:59-66.
9
Intratympanic gentamicin injections for Meniere’s disease. Vestibular hair cell impairment and regeneration. Neurology. 2002;59:1442-4.
10
Characteristics and clinical applications of vestibular evoked myogenic potentials. Neurology. 2005;64:1682-8.
11
VEMPS and dynamic posturography after intratympanic gentamicin in Meniere disease. J Vestib Res. 2005;15:161-8.
12
Intratympanic gentamicin treatment of patients with Ménière’s disease with normal hearing. Otolaryngol Head Neck Surg. 2010;142:570-5.

Δεν υπάρχουν σχόλια:

Δημοσίευση σχολίου

Σημείωση: Μόνο ένα μέλος αυτού του ιστολογίου μπορεί να αναρτήσει σχόλιο.

Bookmark and Share

Auris Nasus Larynx

ScienceDirect Publication: Oral Oncology

ScienceDirect Publication: American Journal of Otolaryngology

American Journal of Roentgenology Head and Neck Imaging

American Journal of Roentgenology Pediatric Imaging

BMC Medical Genomics - Latest Articles

American Journal of Roentgenology Oncologic Imaging

PubMed Central News

Index medicines


A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W Y Z

Stress Urinary Incontinence

Female SUI

Chapter 1: Diagnosis and Treatment Recommendations

Chapter 2: Methodology

Chapter 3: Outcomes Analysis for the Surgical Management of Stress Urinary Incontinence

Appendices

Ophthalmic Plastic & Reconstructive Surgery - Most Popular Articles

Twit This Button

Google+ Badge

Google+ Followers

Αναζήτηση αυτού του ιστολογίου

First Aid,Emergency Guides

First Aid & Emergency Guides A-Z (PDF)

PubMed Central (PMC) is the U.S. National Institutes of Health

PubMed Central (PMC) is the U.S. National Institutes of Health (NIH) free digital archive of biomedical and life sciences journal literature.
Advanced search
Browse PMC journals:

Journal of Oral and Maxillofacial Surgery

Slideshows

Below is an alphabetical list of the educational picture slideshows available on eMedicineHealth. Each slideshow covers a medical or health topic and includes images, illustrations, or pictures and summary information discussing the topic. Scroll through each slide by clicking on the Next button. At the end of each slideshow you'll find links to additional related information on the topic.


Share/Bookmark

Tinnitus

1. Chadha NK, Gordon KA, James AL, Papsin BC. Tinnitus is prevalent in children with cochlear implants. International Journal of Pediatric Otorhinolaryngology. 2009;73:671-675. [abstract]

2. Akdogan O, Ozcan I, Ozbek C, Dere H. Tinnitus after cochlear implantation. Auris Nasus Larynx. 2009;36:210-212. [abstract]

3. Pan T, Tyler RS, Ji H, Coelho C, Gehringer AK, Gogel SA. Changes in the tinnitus handicap questionnaire after cochlear implantation. American Journal of Audiology. 2009;18:144-151. [abstract]

4. Andersson G, Freijd A, Baguley DM, Idrizbegovic E. Tinnitus distress, anxiety, depression, and hearing problems among cochlear implant patients with tinnitus. Journal of the American Academy of Audiology. 2009;20:315-319. [abstract]

5. Rothholtz VS, Tang Q, Wu EC, Fine EL, Djalilian H, Zeng F-G. Exploring the parametric space of tinnitus suppression in a patient with a cochlear implant. Laryngoscope. 2009;119.

6. Di NW, Cianfrone F, Scorpecci A, Cantore I, Giannantonio S, Paludetti G. Transtympanic electrical stimulation for immediate and long-term tinnitus suppression. International Tinnitus Journal. 2009;15:100-106.[abstract]

7. Litre CF, Theret E, Tran H et al. Surgical treatment by electrical stimulation of the auditory cortex for intractable tinnitus. Brain Stimulation. 2009;2:132-137. [abstract]

8. Evans RW, Ishiyama G. Migraine with transient unilateral hearing loss and tinnitus. Headache: The Journal of Head & Face Pain. 2009;49:756-759. [abstract]

9. Pirodda A, Brandolini C, Raimondi MC, Ferri GG, Borghi C. Tinnitus as a warning for preventing vasovagal syncope. Medical Hypotheses. 2009;73:370-371. [abstract]

10. Anderson JE, Teitel D, Wu YW. Venous hum causing tinnitus: case report and review of the literature. Clinical Pediatrics. 2009;48:87-89. [abstract]

11. Liess BD, Lollar KW, Christiansen SG, Vaslow D. Pulsatile tinnitus: a harbinger of a greater ill? Head & Neck. 2009;31:269-273. [abstract]

12. Singh DP, Forte AJ, Brewer MB, Nowygrod R. Bilateral carotid endarterectomy as treatment of vascular pulsatile tinnitus. Journal of Vascular Surgery. 2009;50:183-185. [abstract]

13. Delgado F, Munoz F, Bravo-Rodriguez F, Jurado-Ramos A, Oteros R. Treatment of dural arteriovenous fistulas presenting as pulsatile tinnitus. Otology and Neurotology. 2009;30:897-902. [abstract]

14. Cowley PO, Jones R, Tuch P, McAuliffe W. Pulsatile tinnitus from reversal of flow in an aberrant occipital artery: Resolved after carotid artery stenting. American Journal of Neuroradiology. 2009;30:995-997. [abstract]

15. Stimmer H, Borrmann A, Loer C, Arnold W, Rummeny EJ. Monaural tinnitus from a contralateral inferior colliculus hemorrhage. Audiology & Neurotology. 2009;14:35-38. [abstract]

16. Latifpour DH, Grenner J, Sjodahl C. The effect of a new treatment based on somatosensory stimulation in a group of patients with somatically related tinnitus. International Tinnitus Journal. 2009;15:94-99. [abstract]

17. Department of Health. Provision of services for adults with tinnitus: a good practice guide. 2009. [full text]

18. DH. Tinnitus Map of Medicine care pathway. 2010. [Full text]

19. BTA. Tinnitus: guidelines for primary care. 2010. [Full text]

20. Schneider P, Andermann M, Wengenroth M et al. Reduced volume of Heschl's gyrus in tinnitus. NeuroImage. 2009;45:927-939. [abstract]

21. Landgrebe M, Langguth B, Rosengarth K et al. Structural brain changes in tinnitus: grey matter decrease in auditory and non-auditory brain areas. NeuroImage. 2009;46:213-218. [abstract]

22. Melcher JR, Levine RA, Bergevin C, Norris B. The auditory midbrain of people with tinnitus: Abnormal sound-evoked activity revisited. Hearing Research. 2009;257:63-74. [abstract]

23. Lanting CP, de KE, van DP. Neural activity underlying tinnitus generation: Results from PET and fMRI. Hearing Research. 2009;255:1-13. [abstract]

24. Kaltenbach JA. Insights on the origins of tinnitus: an overview of recent research. Hearing Journal. 2009;62:26-31. [Full text]

25. Shulman A, Goldstein B, Strashun AM. Final common pathway for tinnitus: theoretical and clinical implications of neuroanatomical substrates. International Tinnitus Journal. 2009;15:5-50. [abstract]

26. Schutte NS, Noble W, Malouff JM, Bhullar N. Evaluation of a model of distress related to tinnitus. International Journal of Audiology. 2009;48:428-432. [abstract]

27. Hesser H, Pereswetoff-Morath CE, Andersson G. Consequences of controlling background sounds: the effect of experiential avoidance on tinnitus interference. Rehabilitation Psychology. 2009;54:381-390.[abstract]

28. Argstatter H, Krick C, Bolay HV. Music therapy for chronic tinnitus. Heidelberg treatment model. Psychotherapeut. 2009;54:17-26. [abstract]

29. Lugli M, Romani R, Ponzi S, Bacciu S, Parmigiani S. The windowed sound therapy: A new empirical approach for an effective personalized treatment of tinnitus. International Tinnitus Journal. 2009;15:51-61.[abstract]

30. Langguth B, Salvi R, Elgoyhen AB. Emerging pharmacotherapy of tinnitus. Expert Opinion on Emerging Drugs. 2009;14:687-702. [abstract]

31. Campbell KCM. Emerging pharmacologic treatments for hearing loss and tinnitus. ASHA Leader. 2009;14:14-18. [Full text]

32. Hesser H, Westin V, Hayes SC, Andersson G. Clients' in-session acceptance and cognitive defusion behaviors in acceptance-based treatment of tinnitus distress. Behaviour Research & Therapy. 2009;47:523-528. [abstract]

33. Hesser H, Andersson G. The role of anxiety sensitivity and behavioral avoidance in tinnitus disability. International Journal of Audiology. 2009;48:295-299. [abstract]

34. Shulman A, Goldstein B. Subjective idiopathic tinnitus and palliative care: a plan for diagnosis and treatment. Otolaryngologic Clinics of North America. 2009;42:15-38. [abstract]

35. Forti S, Costanzo S, Crocetti A, Pignataro L, Del BL, Ambrosetti U. Are results of tinnitus retraining therapy maintained over time? 18-month follow-up after completion of therapy. Audiology & Neuro-Otology. 2009;14:286-289. [abstract]

36. Bessman P, Heider T, Watten VP, Watten RG. The tinnitus intensive therapy habituation program: a 2-year follow-up pilot study on subjective tinnitus. Rehabilitation Psychology. 2009;54:133-138. [abstract]

37. Gudex C, Skellgaard PH, West T, Sorensen J. Effectiveness of a tinnitus management programme: A 2-year follow-up study. BMC Ear, Nose and Throat Disorders. 2009;9. [Full text]

38. Henry J, Zaugg T, Myers P, Kendall C, Turbin M. Principles and application of educational counseling used in progressive audiologic tinnitus management. Noise and Health. 2009;11:33-48. [abstract]

1. Hazell JW, Jastreboff PJ. Tinnitus. I: Auditory mechanisms: a model for tinnitus and hearing impairment. J Otolaryngol. 1990;19:1-5. [Abstract]

2. Jastreboff PJ, Jastreboff MM. Tinnitus Retraining Therapy (TRT) as a method for treatment of tinnitus and hyperacusis patients. J Am Acad Audiol. 2000 Mar;11(3):162-77. [Abstract]

3. Marcondes RA, Sanchez TG, Kii MA, Langguth et al. Repetitive transcranial magnetic stimulation improve tinnitus in normal hearing patients: a double-blind controlled, clinical and neuroimaging outcome study. Eur J Neurol. 2009. [Epub ahead of print] ) [Abstract]

4. Cannon SC Pathomechanisms in channelopathies of skeletal muscle and brain. Annu Rev Neurosci. 2006;29:387-415. [Abstract]

5. Davies E, Knox E, Donaldson I. The usefulness of nimodipine, an L-calcium channel antagonist, in the treatment of tinnitus. Br J Audiol. 1994;28:125-129. [Abstract]

6. Baguley DM, Jones S, Wilkins I, Axon PR, Moffat DA. The inhibitory effect of intravenous lidocaine infusion on tinnitus after translabyrinthine removal of vestibular schwannoma: a double-blind, placebo-controlled, crossover study. Otol Neurotol. 2005;26:169-176. [Abstract]

Eggermont JJ. Cortical tonotopic map reorganization and its implications for treatment of tinnitus. Acta Otolaryngol Suppl. 2006;9-12. [Abstract]

Hoke ES, Muhlnickel W, Ross B, Hoke M. Tinnitus and event-related activity of the auditory cortex. Audiol Neurootol. 1998;3:300-331. [Abstract]

Mirz F, Pedersen B, Ishizu K et al. Positron emission tomography of cortical centers of tinnitus. Hear Res. 1999;134:133-144. [Abstract]

Muhlnickel W, Elbert T, Taub E, Flor H. Reorganization of auditory cortex in tinnitus. Proc Natl Acad Sci U S A. 1998;95:10340-10343. [Abstract]

Norena AJ, Eggermont JJ. Enriched acoustic environment after noise trauma abolishes neural signs of tinnitus. Neuroreport. 2006;17:559-563. [Abstract]

Schlee W, Hartmann T, Langguth B, Weisz N. Abnormal resting-state cortical coupling in chronic tinnitus. BMC Neurosci. 2009;10:11. [Full text]

Schlee W, Mueller N, Hartmann T, Keil J, Lorenz I, Weisz N. Mapping cortical hubs in tinnitus. BMC Biol. 2009;7:80. [Full text]

Medicine News

Follow by Email

HIPPOCRATE'S OATH

"I swear by Apollo, the healer, Asclepius, Hygieia, and Panacea, and I take to witness all the gods, all the goddesses, to keep according to my ability and my judgment, the following Oath and agreement:

To consider dear to me, as my parents, him who taught me this art; to live in common with him and, if necessary, to share my goods with him; To look upon his children as my own brothers, to teach them this art.

I will prescribe regimens for the good of my patients according to my ability and my judgment and never do harm to anyone.

I will not give a lethal drug to anyone if I am asked, nor will I advise such a plan; and similarly I will not give a woman a pessaryto cause an abortion.

But I will preserve the purity of my life and my arts.

I will not cut for stone, even for patients in whom the disease is manifest; I will leave this operation to be performed by practitioners, specialists in this art.

In every house where I come I will enter only for the good of my patients, keeping myself far from all intentional ill-doing and all seduction and especially from the pleasures of love with women or with men, be they free or slaves.

All that may come to my knowledge in the exercise of my profession or in daily commerce with men, which ought not to be spread abroad, I will keep secret and will never reveal.

If I keep this oath faithfully, may I enjoy my life and practice my art, respected by all men and in all times; but if I swerve from it or violate it, may the reverse be my lot."

MAIMONIDE'S PRAYER

"Almighty God, Thou has created the human body with infinite wisdom. Ten thousand times ten thousand organs hast Thou combined in it that act unceasingly and harmoniously to preserve the whole in all its beauty the body which is the envelope of the immortal soul. They are ever acting in perfect order, agreement and accord. Yet, when the frailty of matter or the unbridling of passions deranges this order or interrupts this accord, then forces clash and the body crumbles into the primal dust from which it came. Thou sendest to man diseases as beneficent messengers to foretell approaching danger and to urge him to avert it.

"Thou has blest Thine earth, Thy rivers and Thy mountains with healing substances; they enable Thy creatures to alleviate their sufferings and to heal their illnesses. Thou hast endowed man with the wisdom to relieve the suffering of his brother, to recognize his disorders, to extract the healing substances, to discover their powers and to prepare and to apply them to suit every ill. In Thine Eternal Providence Thou hast chosen me to watch over the life and health of Thy creatures. I am now about to apply myself to the duties of my profession. Support me, Almighty God, in these great labors that they may benefit mankind, for without Thy help not even the least thing will succeed.

"Inspire me with love for my art and for Thy creatures. Do not allow thirst for profit, ambition for renown and admiration, to interfere with my profession, for these are the enemies of truth and of love for mankind and they can lead astray in the great task of attending to the welfare of Thy creatures. Preserve the strength of my body and of my soul that they ever be ready to cheerfully help and support rich and poor, good and bad, enemy as well as friend. In the sufferer let me see only the human being. Illumine my mind that it recognize what presents itself and that it may comprehend what is absent or hidden. Let it not fail to see what is visible, but do not permit it to arrogate to itself the power to see what cannot be seen, for delicate and indefinite are the bounds of the great art of caring for the lives and health of Thy creatures. Let me never be absent- minded. May no strange thoughts divert my attention at the bedside of the sick, or disturb my mind in its silent labors, for great and sacred are the thoughtful deliberations required to preserve the lives and health of Thy creatures.

"Grant that my patients have confidence in me and my art and follow my directions and my counsel. Remove from their midst all charlatans and the whole host of officious relatives and know-all nurses, cruel people who arrogantly frustrate the wisest purposes of our art and often lead Thy creatures to their death.

"Should those who are wiser than I wish to improve and instruct me, let my soul gratefully follow their guidance; for vast is the extent of our art. Should conceited fools, however, censure me, then let love for my profession steel me against them, so that I remain steadfast without regard for age, for reputation, or for honor, because surrender would bring to Thy creatures sickness and death.

"Imbue my soul with gentleness and calmness when older colleagues, proud of their age, wish to displace me or to scorn me or disdainfully to teach me. May even this be of advantage to me, for they know many things of which I am ignorant, but let not their arrogance give me pain. For they are old and old age is not master of the passions. I also hope to attain old age upon this earth, before Thee, Almighty God!

"Let me be contented in everything except in the great science of my profession. Never allow the thought to arise in me that I have attained to sufficient knowledge, but vouchsafe to me the strength, the leisure and the ambition ever to extend my knowledge. For art is great, but the mind of man is ever expanding.

"Almighty God! Thou hast chosen me in Thy mercy to watch over the life and death of Thy creatures. I now apply myself to my profession. Support me in this great task so that it may benefit mankind, for without Thy help not even the least thing will succeed."

Information for Health Professionals

Information for Patients

Modern challenged parts of the oath:

  1. To teach medicine to the sons of my teacher. In the past, medical schools gave preferential consideration to the children of physicians.
  2. To practice and prescribe to the best of my ability for the good of my patients, and to try to avoid harming them. This beneficial intention is the purpose of the physician. However, this item is still invoked in the modern discussions of euthanasia.
  3. I will not give a lethal drug to anyone if I am asked, nor will I advise such a plan. Physician organizations in most countries have strongly denounced physician participation in legal executions. However, in a small number of cases, most notably the U.S. states of Oregon,[10] Washington,[11]Montana,[12] and in the Kingdom of the Netherlands,[13] a doctor can prescribe euthanasia with the patient's consent.
  4. Similarly, I will not give a woman a pessary to cause an abortion. Since the legalization of abortion in many countries, the inclusion of the anti-abortion sentence of the Hippocratic oath has been a source of contention.
  5. To avoid violating the morals of my community. Many licensing agencies will revoke a physician's license for offending the morals of the community ("moral turpitude").
  6. I will not cut for stone, even for patients in whom the disease is manifest; I will leave this operation to be performed by practitioners, specialists in this art. The "stones" referred to are kidney stones or bladder stones, removal of which was judged too menial for physicians, and therefore was left for barbers (the forerunners of modern surgeons). Surgery was not recognized as a specialty at that time. This sentence is now interpreted as acknowledging that it is impossible for any single physician to maintain expertise in all areas. It also highlights the different historical origins of the surgeon and the physician.
  7. To keep the good of the patient as the highest priority. There may be other conflicting 'good purposes,' such as community welfare, conserving economic resources, supporting the criminal justice system, or simply making money for the physician or his employer that provide recurring challenges to physicians
http://www.worldallergy.org/educational_programs/world_allergy_forum/barcelona2008/rabe/

Images

Browse Categories by List Form:

Allergic Skin Disorders

Allergic conditions such as eczema and contact dermatitis

Bacterial Skin Diseases

Disorders caused by bacterial infections such as acne and folliculitis

Bites and Infestations

Insect bites, stings and infestations such as scabies & head lice

Diseases of Pigment

Pigment conditions such as jaundice, melasma and birthmarks

Fungal Skin Disease

Disorders such as ringworm, athletes foot and yeast infections

Medical Anatomy

Illustrations of various human anatomy

Noncancerous, Precancerous & Cancerous Tumors

Skin disorders such as moles, skin tags and various skin cancers

Papules, Scales, Plaques and Eruptions

Skin conditions such as psoriasis, diaper rash and poison ivy

Scalp, Hair and Nails

Conditions such as dandruff, ingrown toenails and premature gray hair

Vascular, Lymphatic and Systemic Conditions

Affecting the blood vessels, tissues, organs or the entire body

Viral Skin Disease

Disorders caused by viruses such as shingles, cold sores and measles

Additional Skin Conditions

A collection of various skin disorders and images

MedWorm: ENT & OMF

Archives of Facial Plastic Surgery recent issues

Archives of Otolaryngology recent issues

Archives of Dermatology recent issues

Archives of Pediatrics recent issues

ANATOMY

ANATOMY OF THE
HEAD AND NECK